terça-feira, 1 de agosto de 2017

Oposição quer empurrar votação de denúncia para início da noite

Após uma reunião das bancadas da oposição, deputados decidiram que vão questionar o rito estabelecido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para a votação da denúncia apresentada contra o presidente Michel Temer marcada para esta quarta-feira, 2.

“Solicitamos uma reunião com Maia; não dá para fazer um rito resumido. Votar a denúncia à noite é fundamental para que o trabalhador acompanhe”, disse o líder da minoria na Casa, deputado José Guimarães (PT-CE).

O presidente da Casa já disse nesta terça-feira, 1, que a votação deve acabar à tarde de quarta-feira.

Os cerca de 15 deputados do PT, PCdoB, PDT, PSOL e Rede que participaram do encontro afirmaram que o governo está “desesperado” para derrubar a denúncia, mas que eles não vão aceitar que etapas sejam descumpridas a favor do governo.

A principal preocupação da oposição é que Maia permitiu que a sessão de debates comece com 52 dos 513 em plenário e que essa fase pode ser interrompida após apenas quatro discursos – dois contra e dois a favor da denúncia – , bastando que um requerimento seja aprovado no plenário.

O grupo de oposicionistas irá se reunir novamente à noite, para fazer uma nova avaliação no cenário, mas já definiu que não vai dar quórum durante o dia para forçar que a votação aconteça à noite, quando um maior número de pessoas está em casa e poderá assistir à sessão.

“Não vamos dar quórum durante o dia. Esta votação precisa acontecer de noite, depois que trabalhador for para casa”, reiterou o líder do PSOL na Câmara, deputado Glauber Braga (RJ).

Também do PSOL, o deputado Chico Alencar (RJ) defendeu que a oposição está comprometida em não dar “quórum para essa sujeira”.
Votos

Integrantes da oposição também afirmaram que a maioria dos 513 deputados já se posicionou a favor da denúncia e que eles vão trabalhar até amanhã para alcançar os 342 votos necessários para que a denúncia contra Temer seja aceita.

O governo, no entanto, afirma que já tem o número de apoio suficiente para barrar o processo.

Revista Exame

Nenhum comentário:

Postar um comentário