sexta-feira, 19 de maio de 2017

Temer bate na mesa e afirma: ‘Não renunciarei’

Batendo na mesa, o presidente Michel Temer negou as acusações presentes na delação da JBS divulgadas pelo jornal O Globo. “Não renunciarei!”, disse Temer, se referindo às pressões para que ele saísse do governo. “Não comprei o silêncio de ninguém. Por uma situação singela: não temo nenhuma delação”. “Só falo agora porque tentei conhecer o conteúdo das delações que me citam”, afirmou. Segundo o presidente, o trabalho de seu governo não pode ser descartado. “Não podemos deixar no lixo da história todo o trabalho que tivemos”, disse Temer.


Temer falou por 4min26s. O presidente estava acompanhado do ministro Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), além do líder do governo no Congresso, André Moura (PSC-SE), dos deputados Lelo Coimbra (PMDB-ES), Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), Beto Mansur (PRB-SP), Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Darcísio Perondi (PMDB-RS).
CONTEXTO DA CRISE

O episódio ocorre após a revelação de que Joesley Batista e Wesley Batista, donos do grupo JBS, teriam gravado Temer dando aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação é do jornal O Globo. Cunha está preso em Curitiba desde outubro do ano passado.

Segundo reportagem de O Globo, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver 1 assunto da JBS. Em seguida, Rocha Loures teria sido filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil em dinheiro enviada por Joesley Batista, dono do grupo JBS. Toda a operação foi acompanhada pela Justiça e pela Polícia Federal, que filmou a entrega dos valores.

O jornal ainda divulgou nesta 5ª feira (18.mai) imagens de Rocha Loures recebendo uma mala com R$ 500 mil.

O governo fez 1 planejamento para gerenciar a crise com os aliados mais próximos na noite e madrugada desta 4ª feira (17.mai). Decidiu rebater as acusações. Os ministros palacianos adotaram o discurso de que “o Brasil não pode parar”. O senador Romero Jucá (PMDB-RR), 1 dos mais próximos aliados do presidente, comparou o caso atual com o episódio envolvendo o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero –quando Calero havia dito que gravara Temer. Na ocasião, não houve grandes danos à imagem do peemedebista.

Nesta 5ª feira (18.mai.2017), Michel Temer receberia vários congressistas. Sua agenda, porém, foi cancelada por volta das 10h. A secretaria de imprensa do Planalto confirmou apenas “despachos internos”. Nas horas que se passaram, estiveram no 3º andar do Palácio do Planalto, onde fica o gabinete presidencial, ministros, deputados e senadores.

Assista o vídeo do pronunciamento:


Portal Poder 360º

Nenhum comentário:

Postar um comentário