terça-feira, 4 de abril de 2017

Polícia indicia Júlia Salgueiro; enquanto isso, no Acre, delegado também zomba de portadores da Síndrome de Down

Após terminar as investigações do caso dos comentários feitos pela blogueira Júlia Salgueiro contra uma criança portadora de Síndrome de Down numa rede social, o delegado Paulo Rameh pediu a prisão preventiva e irá encaminhar o inquérito ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE) na tarde desta segunda-feira (3). Apesar de a defesa da acusada ter alegado que ela sofre de depressão e faz uso de medicação controlada, o responsável pelas investigações alegou que a justificativa não tem efeito sob as investigações policiais.

"O quadro depressivo não elimina nem justifica a conduta dela. Cabe à Justiça definir se a doença merece a diminuição ou a não aplicação da pena", explica Rameh. A blogueira, segundo o inquérito, foi enquadrada no crime de Discriminação de Pessoas em Razão de sua Deficiência e, por ter utilizado a internet para cometer o delito, pode ter a pena ampliada para até cinco anos de prisão, além de precisar pagar uma multa de valor a ser definido pela Justiça, caso haja condenação. "Esse é um caso em que o clamor público solicita uma punição a essa pessoa e é nesse sentido, somando isso à gravidade do fato, que eu peço a prisão preventiva", frisa.

Ainda de acordo com Rameh, a blogueira afirmou ter apagado os comentários para evitar danos futuros. "Ela também disse que os comentários não eram direcionados especificamente à criança, mas às outras pessoas que estavam acompanhando a publicação", conta.

O titular do caso afirmou, ainda, ter recebido outras publicações referentes à blogueira. Por terem sido enviados ao delegado na noite do domingo (2), os comentários não entrarão no inquérito. Rameh não confirma a data das publicações, mas afirma que os posts foram feitos por pessoas que conviveram com a blogueira. "As pessoas que escreveram esses comentários dizem que ela já praticou outras ofensas e que, pelo seu comportamento, ela estaria banida do mundo da moda", diz.

O advogado responsável pela defesa da blogueira, Humberto Cavalcante, informou que impetraria ainda hoje um habeas corpus preventivo para que ela responda o processo em liberdade.

Acre - Um vídeo polêmico vem circulando no whatsapp e na internet desde as primeiras horas desta domingo (2). Nas imagens, em tom de ironia, o delegado de Polícia Civil, Flavio Henrique Peviani (foto ao lado), afirma que os portadores de Síndrome de Down são “filhos de extraterrestres com macacas”.

No video é possivel ver Peviane simulando conceder uma entrevista a uma suposto policial civil que pediu ao delegado explicações sobre a Síndrome de Down.

O local onde as declarações de Peviani são concedidas indica ser nas dependências de uma das delegacias de Polícia de Civil de Rio Branco.

O secretário de Polícia Civil do Acre, Carlos Flávio, emitiu nota repudiando as declarações do delegado e afirmando que o servidor será responsabilizado pelo que foi dito, como também serão punidos os demais envolvidos.

Carlos diz, ainda, que “A Polícia Civil não coaduna com a postura inadequada e desrespeitosa do servidor e tomará as providências no intuito de identificar e responsabilizar todos os envolvidos na gravação e veiculação do vídeo, e adotará as medidas necessárias e cabíveis”.

Com informações do Portal G1 e da Folha do Acre

Nenhum comentário:

Postar um comentário