sábado, 8 de abril de 2017

Caso Santa Maria vai parar no Ministério Público

Um comunicado emitido pelo Colégio Santa Maria, na Zona Sul do Recife, sobre o tipo de roupa a ser utilizado por pais e responsáveis ao deixar e buscar os alunos, tem causado desconforto à mãe de uma aluna da instituição. Segundo Madelayne Cavalcanti, ela e a filha têm sofrido com o preconceito de outras mães de alunos da escola devido à sua atuação profissional como modelo e devido às roupas que ela usa, consideradas "inadequadas". 

Uma promotora do Distrito Federal tomou conhecimento do caso e entrou com uma representação formal no Ministério Público de Pernambuco (MPPE) para solicitar uma indenização por danos morais coletivos.

Através de nota enviada à reportagem nesta sexta-feira (7), a escola informou que o comunicado é geral para todos os pais e o texto condiz com os princípios que norteiam as atividades da instituição. No texto do comunicado, emitido no fim de março, a escola pede que os responsáveis por deixar e buscar os alunos usem roupas “menos curtas, menos decotadas, menos extravagantes”. Ainda no texto, a instituição afirma que “bom senso e discrição são marcas de uma sociedade educada e moderna”.

Segundo Madelayne, a instituição pediu para que ela comparecesse à escola para uma conversa com a direção um dia após o envio do comunicado. “Eles me perguntaram como era a minha vida profissional, a relação com a minha filha. Eu disse que trabalhava como modelo, que já tinha feito alguns trabalhos para revistas e que tinha sido eleita a musa de um time. Só pararam de questionar o meu trabalho quando eu disse que o meu marido trabalhava na Justiça. Eu me senti arrasada, tipo um lixo”, conta a mãe.

Depois de receber a circular, Madelayne conta que foi hostilizada em grupos de redes sociais formados por mães de outros alunos. “Começaram a divulgar fotos dos meus trabalhos e da minha família e depois fui excluída. Depois de um tempo, percebi que fui o pivô do comunicado”, conta. Depois do caso, ela decidiu fazer um vídeo para tentar esclarecer a situação, explicando que as roupas usadas para buscar a filha na escola não são impróprias para o ambiente escolar. “Eu uso roupas condizentes com o calor do Recife”, ressalta.

Ainda de acordo com a mãe, a filha tem sofrido bullying dos colegas depois do envio da circular. “Duas colegas de sala foram transferidas do período da tarde para o período da manhã. Minha filha chega em casa dizendo que as colegas não podem mais brincar com ela porque as mães não deixam. Na hora do recreio, quem brinca com ela é a psicóloga”, relata.

Diante do caso, a procuradora do Distrito Federal Roberta Fragoso entrou com uma representação no MPPE para pedir uma indenização por danos morais coletivos. “Não se trata de uma indenização para a moça em si, mas para um fundo do MPPE para combater e ter condições de fomentar os direitos humanos”, explica a procuradora, que soube da situação através de grupos de mensagens em redes sociais.

Para Roberta, é preciso haver uma diferenciação entre o trabalho de Madelayne como modelo e o seu papel de mãe na comunidade escolar. “Estão confundindo a atividade particular dela como profissional com atividade dela como mãe. Até por meio de provas periciais e testemunhais, ela pode provar que não vai com roupas consideradas inadequadas”, argumenta.

No MPPE, o caso está sob a responsabilidade do promotor Maxwell Vignoli. A reportagem tentou entrar em contato com o órgão, mas o promotor não quis se pronunciar sobre o assunto, pois a investigação está em curso.

Por meio de nota, o Colégio Santa Maria lamentou que o comunicado tenha sido interpretado de maneira equivocada. Confira o posicionamento da instituição, divulgado nesta sexta-feira (7), na íntegra:

"A instituição emitiu um comunicado geral para todos os pais, compartilhando alguns valores que compõem a orientação que lastreia nossas atividades educacionais. Lamentamos caso alguém tenha interpretado de forma equivocada. Reforçamos ainda que o colégio sempre esteve à disposição para quaisquer esclarecimentos."


Portal G1 com informações de Arquivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário