segunda-feira, 20 de março de 2017

Lula e Dilma fazem inauguração simbólica da transposição

Na tarde deste domingo (19), Os ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rouseff, ao lado de correligionários, militantes e populares, fizeram uma inauguração popular da transposição do Rio São Francisco na cidade de Campina Grande, na Paraíba (a 312 km de João Pessoa). Ao contrário da inauguração oficial, que ocorreu na semana passada e não teve apoio popular, o evento contou com milhares de pessoas que mergulharam nas águas da transposição. 

A transposição das águas do São Francisco para o semi-árido nordestino é uma daquelas obras que muda a face de um país ou de uma região, produzindo mudanças sociais e econômicas que marcarão época. Na história do mundo e da humanidade, o manejo do rios foi decisivo para o florescimento de grandes civilizações. A obra não tem paternidade, pertencendo ao povo brasileiro que pagou impostos para que pudesse ser realizada. Desde sempre os brasileiros pagaram impostos e os nordestinos sofreram com a seca mas só a partir de 2007 a obra passou a sair do papel, quando Lula presidia o País, Dilma era chefe da Casa Civil e Ciro Gomes ministro da Integração Nacional. Inclusive, Ciro não foi ao evento, alegando problemas pessoais, mas não deixou de ser citado por Lula.

19 de Março - Para o povo nordestino, a data é especialíssima. O dia de São José, pai adotivo de Jesus Cristo, é reverenciado pela população, principalmente os camponeses. Neste dia, os agricultores fazem as plantações, especialmente do milho e se chover em 19 de março, não haverá seca o resto do ano. Para os paraibanos e visitantes, mesmo que seja de outra forma, a água chegou. 

História - A ideia de transposição das águas remonta ao ano de 1847, ou seja, no tempo do Império Brasileiro de Dom Pedro II, já sendo vista, por alguns intelectuais de então, como a única solução para a seca do Nordeste. Naquela época, não foi iniciado o projeto por falta de recursos da engenharia. Ao longo do século XX, a transposição do São Francisco continuou a ser vista como uma solução para o aumentar as disponibilidades em água no Nordeste Setentrional. A discussão foi retomada em 1943 pelo Presidente Getúlio Vargas.

O primeiro projeto consistente surgiu no governo João Batista de Oliveira Figueiredo, quando Mário Andreazza era Ministro do Interior, após uma das mais longas estiagens da História (1979-1983) e foi elaborado pelo extinto Departamento Nacional de Obras e Saneamento (DNOS).Em agosto de 1994, o presidente Itamar Franco enviou um Decreto ao Senado, declarando ser de interesse da União estudos sobre o potencial hídrico das bacias das regiões semiáridas dos estados do Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. Convidou o então Deputado Federal pelo Rio Grande do Norte, Aluízio Alves, para ser Ministro da Integração Regional e levar adiante a execução do projeto.

Fernando Henrique Cardoso, ao assumir o governo, assinou o documento "Compromisso pela Vida do São Francisco", propondo a revitalização do rio e a construção dos canais de transposição: o Eixo Norte, o Eixo Leste, Sertão e Remanso. Previa ainda a transposição do Rio Tocantins para o Rio São Francisco, grande projeto da época do Ministro Andreazza. Tais projetos não foram adiante no Governo FHC. 

Veja algumas imagens do evento de ontem:









Com informações do Portal Brasil 247 e Wikipedia

Nenhum comentário:

Postar um comentário