quinta-feira, 30 de março de 2017

Luciano Huck: "É hora da minha geração ocupar os espaços de poder"




Luciano Huck, 45, colocou blazer para gravar o primeiro "Caldeirão" desta temporada, na quinta-feira (23). A justificativa para o look formal para comandar o programa que vai ar neste sábado (1º), marcando seus 17 anos na Rede Globo, foi homenagear cinco brasileiros no especial "Inspiração".

O novo quadro dá visibilidade a líderes e empreendedores sociais que unem quatro características que Huck espera ver também no candidato a presidente da República em 2018: "Carisma, capacidade de implementação, ética e altruísmo". Em entrevista à Folha o apresentador diz que sua geração está pronta para ocupar os espaços de poder e que diante do colapso do sistema político e da crise ética novas lideranças vão surgir.

Ele fica em cima do muro sobre o assédio de partidos e pesquisas de opinião que o colocariam na corrida rumo ao Planalto.

Folha - Como explica a trajetória de apresentador que lançou Tiazinha e que hoje leva ao palco prêmio Nobel da Paz e professor de ética de Harvard?

Luciano Huck - Fui amadurecendo. A pauta pessoal norteia muito a tua comunicação. Há 20 anos, meu universo era de menino. Orbitava na escola ou na faculdade em que estudava, nos amigos que carregava desde a infância. Fui ampliando as áreas de interesse, tentando entender qual é a minha missão no mundo como apresentador, pai, marido, brasileiro, cidadão.

Qual é sua missão?
O poder que conquistei através do microfone é resultado de muito trabalho. Tenho 40 milhões de seguidores nas redes sociais e 18 milhões de pessoas todo sábado assistindo ao programa. Espero dar muito trabalho para o meu biógrafo. No final da história, ficarei contente se puder ter melhorado o mundo à minha volta. Não gosto da ideia de viver de forma passiva. Somos curadores em tempo integral do futuro que queremos, precisamos imaginá-lo e criá-lo.

Que marca quer deixar?
A minha geração tomou as rédeas do dia a dia. Você vê um ministro do Supremo de 47 anos [Alexandre de Moraes, que tem 48]. O CEO da BRF [Pedro Faria] tem 42. É uma geração que ainda não está na política como deveria, mas vai estar. A renovação que a gente precisa passa por uma renovação geracional. Tive o privilégio, que pouca gente tem, de entrar nas casas das pessoas. Viajei o Brasil todo. Sem nenhum crachá político. Estou numa fase altamente produtiva, líder de audiência em um espaço relevante e comercialmente viável. Bicho, vamos usar isso para o bem.

Você abre a temporada com um quadro chamado "Inspiração". O que te inspira?
Tropeçar em pessoas que tenham capacidade de tirar do papel ideias que melhorem a vida das demais. As lideranças no mundo têm que reunir quatro características principais. Carisma é fundamental, capacidade de implementação. Mas, se ficar só nestas duas, você pode botar Hitler e Gandhi no mesmo saco. Acrescenta ética e já tira um monte da lista. Só que a pessoa carismática e ética pode ser egoísta. Aí coloca o altruísmo e você encontra os líderes que admiro.

Você se enxerga nestas caraterísticas?
Ih, eu preciso melhorar muito. Você não nasce necessariamente altruísta. As experiências de vida vão te ensinando.

São qualidades que candidatos à Presidência da República deveriam ter?
São características fundamentais para que alguém de fato possa transformar o país e aproveitar essa oportunidade, que é o colapso político e a crise ética, para liderar um projeto novo de país.

Há dez anos, você declarou que poderia se lançar à Presidência no futuro. Esse momento chegou?
Esta é sempre a pergunta pegadinha. Não dá para responder na atual conjuntura. Falando seriamente, nossa geração chegou a um momento em que tem capacidade, saúde, força de trabalho, relevância, influência. Quem entrou na faculdade em 1990 está chegando agora aos espaços de poder. Faço parte desta geração. Estamos vivendo um trauma moral e ético que se soubermos capitalizar para o bem, tenho convicção de que daqui a 10, 20, 30 anos vamos ter um país de fato diferente e mais justo.

Fazendo política?
Já faço política, fazendo televisão aberta no Brasil, com o poder que a Globo tem, trazendo boas histórias, dando opinião. Agora, se me perguntarem se vou concorrer a algum cargo eletivo, eu não sei responder. E qualquer tipo de resposta é especulação, fofoca.

Há pesquisas que já mostrariam seu nome entre os candidatos. Você foi informado dos resultados de tais sondagens?
Cara, o Brasil precisa de renovação e tem uma classe política completamente desmoralizada, sem nenhum apelo popular, atração, charme. Se vou ser eu, não faço a menor ideia. Quero poder ajudar a identificar lideranças. A resposta à pergunta objetiva é não.

É assediado por partidos?
Não vivo encastelado. Tô na favela, no sertão, em Brasília. Tenho amigos políticos, nas Forças Armadas, na torcida do Corinthians, na favela, no samba, no futebol.

Você não respondeu à pergunta. Partidos o assediam?
Nunca efetivamente.

Não teve convite para se lançar a nada?
Não, mas também não te responderia [risos].

Você foi às manifestações?
Não fui pra rua. Tenho minha opinião pessoal.

Qual é?
A mobilização não é contra A, B, C. O sistema todo entrou em colapso. Independentemente de partido, de ideologias. E a falência do sistema como um todo é uma oportunidade como poucas na história do Brasil. Vamos aproveitar que o castelo caiu e construí-lo direito, em outras bases. Bicho, vamos colocar a base da ética, da transparência. Independente de que partido você é, da cor da bandeira que você levanta. Todo mundo deveria querer usar as ferramentas políticas e o poder do Estado para melhorar a vida de todos.

Como fazer isso diante da polarização?
O único jeito de arrumar esse país é se a gente conseguir fazer um pacto apartidário. Sem revanchismo, sem revolta. Se foi golpe ou se não foi golpe, não importa.

E como mudar esse sistema?
O presidente Michel Temer pode ficar para a história do Brasil se souber usar a impopularidade dele para fazer o que precisa, para corrigir os erros da construção da nossa democracia. Fazer voto distrital e um monte de coisas para acabar com incongruências, vícios. Outro dia, fui gravar no interior de Alagoas, com uma empreendedora social. O município tinha IDH horroroso, com 50% de analfabetos. A iniciativa dela tinha, de verdade, transformado a comunidade. Na segunda gravação, apareceu a prefeita, não vou dar nome, que não tinha nenhuma conexão com o lugar. Ia lá duas vezes por mês, morava em Maceió. Óbvio que foi eleita porque o sistema está errado.

O que espera da Operação Lava Jato? Qual é a sua opinião sobre o juiz Sergio Moro?
Sou a favor de todos os movimentos que ajudem a refazer e ressignificar as bases morais e éticas do Brasil. E sem dúvida a Lava Jato é o principal deles. Moro é um homem de coragem, e tenho certeza que os ecos das suas atitudes irão trazer muito benefícios para as próximas gerações.

Dos nomes já colocados, você tem alguma preferência para 2018?
Se falar isso agora, eu vou estar me colocando. Não é hora. Tem muita gente se organizando pra isso, com projeto legal, boas ideias, vontade de botar a mão na massa e vocação pública. Só precisa de fato dar espaço para quem não está viciado em velhas práticas.

Acham que você é tucano?
Eu não sou tucano, mas sou muito próximo do Fernando Henrique, a cabeça mais moderna do Brasil, e ele tem 85 anos. Sou amigo do Aécio [Neves, senador mineiro] desde que passei a dividir minha vida entre Rio e São Paulo, há 17 anos. Tenho carinho por ele, mas foram pouquíssimas as vezes que misturamos esta amizade com política.

FHC andou falando a interlocutores que você poderia ser um nome em 2018?
O presidente gosta de mim, é meu amigo. Minha mãe é urbanista e casada há décadas com o economista Andrea Calabi, que participou ativamente dos principais governos tucanos no âmbito federal e estadual. Natural que a política tenha pautado vários almoços e jantares familiares desde que me entendo por gente. Minha visão política não vou colocar aqui publicamente neste momento. É delicada. Temos que ver como vai ser o financiamento de campanha. Quem pode dar dinheiro para campanha de maneira legal.

Neste cenário, a campanha de um nome da TV seria mais barata, por ser conhecido.
Não tem campanha nenhuma. O que vai acontecer em 2018 está ainda em aberto. Grande incógnita. Isso angustia todo mundo, o cidadão normal, a imprensa, quem quer investir no Brasil. A solução pode ser muito boa, pois esse colapso da classe política pode gerar lideranças positivas, como também pode gerar lideranças controversas.

O brasileiro anda com a autoestima lá embaixo mesmo com Copa e Olimpíada?
De novo, não tem liderança. Não tem projeto. Você não vê ninguém fazendo sinapses e reflexões que de fato inspirem a sociedade como um todo. A hora em que aparecer uma liderança que faça as pessoas acreditarem que vai ter um novo capítulo de ética, de altruísmo, junta todo mundo. São Paulo é um bom exemplo.

Por causa da eleição do João Doria?
Sem dúvida. João não é político tradicional, não tem os vícios nem coisas debaixo do tapete que a velha política teve. Isso faz diferença.

Como lidou com as vaias no Maracanãzinho na Olimpíada?
Não vou ser unanimidade nunca. Mas estou em paz com minha consciência. O que a minha carreira me proporcionou e as relações que construí, eu estou usando para o bem. E não só de quem está a minha volta. Podem não gostar do que eu faço, da televisão que eu produzo, do que eu penso, mas eu sou isso aí.

O que achou da entrevista do seu irmão Fernando Grostein à Folha, falando sobre a homossexualidade dele?
Nunca falei isso publicamente porque a vida é dele. Ser meu irmão, imagino que tenha os prazeres, mas já é um fardo. Fernando me contou isso quando tinha 19 anos, e eu, 28. Desde o primeiro dia, nunca foi um problema. E nunca será. Ele é um menino muito inteligente e fora na curva na capacidade de realizar e de defender as bandeiras dele, sempre com muita relevância.

Uma das causas é o filme "Quebrando o Tabu", que defende a descriminalização das drogas. Você também defende?
Eu produzi o filme com ele. Tenho absoluta certeza de que a guerra às drogas e o que foi feito até aqui não funcionou. As comunidades estão cada vez mais armadas. O consumo nunca diminuiu, os presídios estão superlotados. Não é um problema de polícia, mas de saúde pública. 

Desespero - O projeto "Luciano Huck, o retorno" é o último recurso da direita brasileira para enfrentar o ex-presidente Lula em 2018 ou antes, caso Michel Temer seja cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral e a pressão popular garanta diretas já; essa ideia esdrúxula, que tem o aval do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nasceu em 2011, com uma capa de Veja, chamada "a reinvenção do bom-mocismo", mas foi logo abortada diante das fragilidades de Huck, sempre muito próximo de personalidades como Sergio Cabral, Eike Batista e Aécio Neves. 

Agora, como o que sobrou à direita após o golpe foram Jair Bolsonaro e João Doria, o novo Jânio Quadros, FHC tenta testar novos nomes para evitar o colapso de seu partido; os atributos de Huck, depois da deslegitimação da política, seriam sua base de seguidores no Twitter e o fato de supostamente ser "bonzinho"

Os três principais nomes do PSDB, Aécio Neves, José Serra e Geraldo Alckmin, estão praticamente eliminados da sucessão presidencial, com taxas de reprovação de 74%, 70% e 67%, respectivamente, segundo aponta pesquisa Ipsos (leia aqui). Ao PSDB, sobrou o prefeito de São Paulo, João Doria, que não inspira confiança na cúpula do partido, por ser uma espécie de novo Jânio Quadros.

Diante desse cenário de terra arrasada, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sacou da cartola a reedição de um plano que foi testado, pela primeira vez, em 2011.

Trata-se do projeto "Luciano Huck, o retorno". Em 2011, o apresentador da Globo foi tema de uma esdrúxula capa de Veja, com a chamada "A reinvenção do bom-mocismo". Antes, Huck dera entrevistas a outras publicações, como a extinta Alfa, da Abril, falando de seus projetos políticos.

Hoje, seis anos depois, ele voltou à carga, numa entrevista à Folha, em que disse que é hora de sua geração assumir o comando, com o lema, "bicho, vamos usar nosso poder para o bem". Numa era de judicialização e deslegitimação da política, caminho encontrado pelo PSDB para tentar enfrentar o PT após quatro derrotas presidenciais, a aposta agora é numa celebridade que tenha muitos seguidores no Twitter, dinheiro para bancar sua campanha e fama de bonzinho. É nesse contexto que se encaixa a candidatura Huck, que, na prática, simboliza apenas o desespero da direita brasileira, tragada por seu moralismo sem moral.

Biografia - Luciano Grostein Uck (sim, sem o H) tem 45 anos, e além de apresentador, é empresário e advogado. Na década de 90 aventurou-se em estágios nos mais variados veículos de comunicação como as Agências Publicitárias W Brasil, DM9 e Talent; a Rádio 89 FM, o Jornal do Brasil e a Revista Playboy. Na TV, passou pelas TVs CNT Gazeta e Bandeirantes, antes de assinar contrato com a Rede Globo, estreando seu programa em 2000.

Entre outras atividades (ator, empresário da noite, dublador, entre outras),Luciano Huck é diretor-presidente do Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias, ONG idealizada por ele que tem como missão promover o desenvolvimento profissional, social e pessoal de jovens por meio do audiovisual. Desde sua fundação em 2004, 1.150 jovens foram atendidos no programa educacional. Graças ao Instituto Criar, Luciano foi um dos indicados para o prêmio Empreendedor Social.

Em 2004, durante as filmagens de Um Show de Verão, onde interpretava o produtor musical Marcelo, conheceu a atriz-cantora-apresentadora Angélica Ksyvics. Hoje, com 13 anos de casados, Huck e Angélica tem três filhos: Joaquim, Benício e Eva. 

Com informações da Folha SP (Jornalista Eliane Trindade), Portal Brasil 247 e Wikipedia

Nota do Blog: Só relembrando um tweet antigo do apresentador.



Nenhum comentário:

Postar um comentário