segunda-feira, 13 de março de 2017

Exposição "Dezova" em Caruaru traz a dicotomia da vida e da morte

DEZOVA é a mais nova exposição individual de arte contemporânea do artista plástico recifense Fernando Augusto Lima, que traz para debate, de forma poética, questões da violência urbana entrelaçadas em nosso cotidiano. A mostra tem abertura na próxima sexta-feira (17), a partir das 20h, na Galeria Mestre Galdino – Sesc de Caruaru e tem um conjunto de 40 fotos, video com trilha sonora assinada por Alfaia e objetos em uma instalação que se debruça nos paradoxos do abandono, da vida e morte. A expo será exibida no Recife em setembro.

Desovar pode ser a criação da vida que tantos seres executam a fim de reproduzir a espécie, mas também é, na maioria das vezes, ação de descarte, abandono, roubo e análogo à morte. É nessa dicotomia que ancora o trabalho de Fernando Augusto.

Foi por transitar regularmente em um cenário permeado por crimes que envolvem abandonos de carros, em uma estrada de contínua desova, na BR 408 (trecho que aproxima e divide os municípios do Recife e de São Lourenço da Mata) e tornar-se testemunha desse constante ritual, que Fernando Augusto considerou rebater o sentido de destruição e aniquilamento do ato da desova. Transformando o fim em um processo de renascimento.

A exposição divide-se em três elementos. O primeiro é formado por uma série de fotos de dez ações nas quais o artista identifica um carro carbonizado e insere em sua estrutura inutilizável, uma dezena de ovos. É do número de repetições do mesmo gesto e da quantidade de ovos depositados no que restou daqueles carros, que deriva a grafia inventada do título dado aos trabalhos, Dezova.

O projeto ainda é complementado por mais duas ações. Um vídeo onde o artista reencena o processo da “desova”, do abandono e da falta de gerenciamento das cidades, mostrando de forma ficcional o que acontece na realidade. E por fim, uma instalação que reproduz na sala de exposição, uma chocadeira de ovos e um pinteiro em processo de germinação, que propõe reforçar o debate da vida versus morte.

Segundo o curador de arte contemporânea, Moacir dos Anjos, este processo discute a dissemelhança entre os significados da palavra desova, aliviando a ideia quase exclusiva de apagamento e de morte. Reintroduzindo o sentido vital e primeiro associado ao ato da desova.’’

Fernando Augusto acumula diversas experiências em sua trajetória de artista plástico, com várias exposições coletivas e individuais em diversos países à exemplo de Cuba e Argentina. Foi ganhador do Prêmio de Arte Mural – Salão de Arte Contemporânea de Pernambuco e do Concurso de Gravuras – Centro Cultural Brasil / Espanha, Recife. Entre outros trabalhos, em 2002 e 2005 criou e coordenou o SPA das Artes – Semana das Artes Visuais do Recife.

DEZOVA é a sua 11º individual. O projeto tem incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, através do Funcultura e é uma realização de Guilherme l. F. Patriota (Theia Produtores Associados). A exposição fica em cartaz até o dia 28 de abril em Caruaru, com visitação de segunda a sexta-feira, das 09h às 21h. Entrada gratuita.

No Recife, a mostra entra em cartaz no mês de setembro, na Torre Malakoff. Abertura 06/09/2017 a 08/10/2017, na Sala Acir Lacerda.

Serviço:

DEZOVA
Exposição individual de Fernando Augusto

Abertura: 17 de março, a partir das 20h, na Galeria Mestre Galdino 
Sesc de Caruaru – Rua Rui Limeira Rosal, s/n – Petrópolis

Visitação: 18 a 28 de abril, das 09h às 21h
Incentivo: Governo do Estado de Pernambuco / Funcultura
Realização: Guilherme I. F. Patriota (Theia Produtores Associados)
Informações: (81) 9 3721.3967 / 9 9176.0537

Entrada Franca

Nenhum comentário:

Postar um comentário