quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Rio: Homem morre em tiroteio com fuzileiros navais

Um tiroteio assustou pessoas que passaram pela Zona Portuária do Rio de Janeiro na manhã desta quarta-feira (15), no Rio de Janeiro. Assaltantes tentaram roubar uma moto cujo alarme disparou. Eles roubaram, então, outra moto e fugiram pela Avenida Brasil. Na altura do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), os suspeitos se depararam com um caminhão da Marinha e atiraram contra os militares. Os agentes revidaram e um suspeito foi morto. 

O advogado Geraldo Freire foi uma das vítimas. "Eu reduzi para fazer a curva, ele veio correndo e, na minha ingenuidade, achei que ele ia pedir alguma informação. Ele estava a pé, mas tinham uns 3 ou 4 dando cobertura", diz ele.

De acordo com uma testemunha que passava pelo local em um ônibus na hora do tiroteio, o tiroteio aconteceu entre o Into e a Rodoviária Novo Rio. Ela preferiu não se identificar. "Tinha vários carros das Forças Armadas e soldados da rua e começou uma sequência de tiros. Quando cessou, vimos que tinha uma pessoa caída no chão", explicou a testemunha.

A testemunha conta que os passageiros viveram momentos de pânico durante a troca de tiros. "As pessoas se jogaram no chão e, quando o motorista falou que mataram um homem, nós nos levantamos e foi um desespero total". Um outro homem, que estava em um carro, contou que sofreu uma tentativa de roubo na região.

Militares no RJ

Nove mil homens do Exército e da Marinha já estão nas ruas para ajudar na segurança do Rio, Niterói e São Gonçalo. A vinda das Forças Armadas ao Estado foi um pedido do governador Luiz Fernando Pezão ao presidente Michel Temer.

A princípio, eles ficam até a próxima quarta-feira (22), mas o prazo pode ser estendido para depois do carnaval. Na tarde de terça-feira (14), era possível ver homens do Exército patrulhando na Transolímpica.

O exército vai atuar na Transolímpica do Recreio até Deodoro, na Avenida Brasil, Niterói e São Gonçalo. Já os fuzileiros navais vão patrulhar o Caju, Cais do Porto, aeroporto Santos Dumont, Marina da Glória, Aterro do Flamengo, Copacabana, Lagoa, Leblon e Ipanema.

Em todos esses locais, as Forças Armadas vão substituir os PMs e vão ter poder de polícia, inclusive, revistando passageiros nos ônibus na operação nas praias no verão. Não terá patrulhamento das Forças Armadas em comunidades nem na Baixada Fluminense.

Portal G1



Nenhum comentário:

Postar um comentário