segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

EUA amentam investimentos para forças armadas enquanto outros setores têm corte de verba

Donald Trump quer aumentar em cerca de 9% as despesas militares, para 54 bilhões de dólares (mais de 162 milhões de reais), e diminuir a ajuda externa, indicou esta segunda-feira uma fonte oficial da Casa Branca. O aumento é "histórico", de acordo com o líder norte-americano.

Estas medidas constam na proposta de orçamento para o ano fiscal de 2018 da administração de Donald Trump, que assumiu em janeiro.

A mesma fonte indicou que todos os Departamentos (o equivalente aos Ministérios), exceto os relacionados com a área da segurança, irão sofrer uma redução nos respetivos orçamentos, e informou que está prevista uma "redução significativa" da ajuda internacional.

De acordo com fontes próximas da Casa Branca, citadas pelo The Independent, o Departamento de Estado e a Agência de Proteção Ambiental serão dos departamentos cujos orçamentos serão mais reduzidos em comparação com anos anteriores. O ambiente será mesmo a área mais prejudicada com os novos cortes, asseguram as mesmas fontes.

"Este orçamento é a expressão da minha promessa de manter os americanos seguros. Inclui um aumento histórico nos gastos com a defesa", disse Donald Trump à imprensa. Na sexta-feira (24), Trump havia dito numa conferência de Conservadores, no Maryland, que "ninguém ia meter-se com os EUA. Ninguém."

Referindo-se a um orçamento de "segurança nacional", o chefe de Estado americano disse, durante um encontro com governadores estaduais na Casa Branca, que iria respeitar a sua "promessa de proteger os americanos".

O orçamento "vai incluir um aumento histórico nos gastos da Defesa" para "reconstruir" o exército, reforçou Trump, que deu durante a sua campanha eleitoral grande foco a matérias relacionadas com a segurança nacional e a luta contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

No início de fevereiro, e diante do Congresso, os chefes militares americanos descreveram um exército enfraquecido durante vários anos por verbas orçamentais inadequadas e por mais de duas décadas de conflitos.

Os argumentos dos chefes militares convenceram Trump, mas será o Congresso, onde a proposta chegará em março, que terá o poder, em última análise, de libertar as verbas dos cofres americanos. Aproveitando a retirada das tropas norte-americanas de cenários como o Iraque e o Afeganistão, o anterior Presidente, o democrata Barack Obama, reduziu as despesas militares.

Representando 3,3% do Produto Interno Bruto (PIB), perto de 600 bilhões de dólares (cerca de 1 trilhão de reais), as despesas militares norte-americanas são as maiores do mundo

Diario de Noticias (Portugal)

Nenhum comentário:

Postar um comentário