segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Após polêmica com Raduan Nassar, ministro da cultura recebe desprezo de jornais portugueses

O despreparo e a arrogância do ministro da Cultura, Roberto Freire, contra o escritor brasileiro Raduan Nassar na entrega do Prêmio Camões, na semana passada em São Paulo, chocou a imprensa internacional. 

A colunista Alexandra Lucas Coelho, do jornal português Público, o veículo de imprensa mais prestigiado de Portugal, não poupou críticas à atitude de Freire. "Claro que o ministro sumirá da história e a obra do premiado fica, enquanto houver alguma forma de livro no planeta. Para os livros de Raduan Nassar é indiferente o que passou na sexta. Mas a nós, contemporâneos, importa, sim, que um membro do poder político abuse do cargo, confundindo, distorcendo e agredindo um criador como Raduan, protagonista único da cerimónia, que lhe devia merecer, no mínimo, silêncio", disse a colunista, referindo-se ao discurso de Raduan, em que ele denunciou o golpe parlamentar e as arbitrariedades cometidas no Brasil desde então (leia o discurso na íntegra aqui).

"Não cabe ao ministro aprovar ou reprovar o discurso do premiado, não lhe cabe responder. Tal como não é preciso alguém estar de acordo com Raduan politicamente para entender como foi absurdo o que se passou. O prémio não é deste governo, é patrocinado por dois Estados, e atribuído por um júri. A sua aceitação nunca deverá implicar um discurso bem-agradecido. Um ministro da Cultura que veja os criadores como estando ao serviço não entendeu nada. Idem para quem sugere que se pode tirar a política da cultura, e vice-versa. De resto, o que o actual governo brasileiro está a fazer na Cultura é um desmonte do muito que veio sendo construído. Se há áreas em que os anos de Lula deram frutos fortes, a Cultura é certamente uma delas", acrescentou. 

Leia na íntegra o artigo: 



E assista o vídeo a seguir:


Com informações do Portal Brasil 247 (Texto) e do Estadão (Vídeo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário