quarta-feira, 31 de agosto de 2016

E o enredo virou MPB




Para comemorar o centenário do samba celebrado este ano, a cantora e compositora Adriana B e o diretor musical, idealizador e arranjador Igor Eça (vocal, violão, teclado e baixo) apresentam o show carioca “E o enredo virou MPB”, que chega pela primeira vez ao Teatro de Santa Isabel em único dia, 6 de setembro, às 20h. A dupla estará acompanhada pelos músicos Rubem França (violão e cavaquinho) e Bira Souza (bateria e percussão).

O projeto é composto de sambas-enredos que fizeram história no carnaval brasileiro. A ideia é valorizar e dar uma nova roupagem às composições que marcaram época e que consagraram compositores que imortalizaram o gênero, ampliando os horizontes do samba e dialogando com outros ritmos brasileiros. “O samba-enredo narra uma história com letras primorosas que, com o ritmo das baterias e a plasticidade das alegorias, acabam não sendo as únicas estrelas do desfile. Queremos que elas sejam cantadas e tocadas mais lentamente e com arranjos que destacam as palavras, colocando o foco na poesia dessa história”, explica Igor, filho de um dos gênios do piano brasileiro, Luiz Eça.

Adriana B foi convidada por Igor para gravar algumas faixas deste projeto no início dos anos 2000, quando estava radicada no Rio de Janeiro. “Achei o projeto único, continuei a pesquisa sobre o gênero e já apresentei alguns shows com esse repertório aqui no Recife e no Rio. Mas os arranjos de Igor são inusitados”, afirma Adriana, que assina, junto com Renato Bandeira no projeto, os arranjos das músicas “Sonho de um sonho”, de Martinho da Vila para a Vila Isabel/1980, que virou um frevo de bloco, e “Kizomba, a festa das raças”, da Vila Isabel/1988 (vencedora do carnaval daquele ano), que virou um afro-jongo. “Assinei também a canção Sonhar não custa nada, ou quase nada, da Mocidade/1992, que virou um lindo bolero com arranjo de Igor, responsável pela releitura de 10 músicas do show”, finaliza ela.

A ideia inovadora de reler os sambas-enredos surgiu de um convite feito a Igor pela gravadora EMI, ficando engavetada por mais de 10 anos e foi retomada este ano especialmente para os festejos do centenário do samba e que, recentemente, foi apresentado no Teatro Maria Clara Machado no Planetário – Gávea, no Rio. O repertório apresenta ainda canções como “Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite”, de Davi Correia e Jorge Macedo (Portela, 1981), “Caymmi mostra ao mundo o que a Bahia e a Mangueira tem”, de Ivo Meireles, Paulinho e Lula (Mangueira, 1986) e “Domingo”, de Aurinho da Ilha, Ione do Nascimento, Adhemar Vinhaes e Waldir da Vala (União da Ilha, 1977).

Além de preservar a memória do gênero carioca, o show retrata como os sambas-enredos podem encantar o público fora do ciclo carnavalesco, mostrando toda a beleza destas tramas que emocionam há tantos carnavais. A realização e coordenação de produção do evento é de Dulce Lobo e a produção local é de Áurea Oliveira. Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada para estudantes e maiores de 65 anos), disponíveis na bilheteria do Teatro de Santa Isabel, na Praça da República, s/n - Santo Antônio, Recife, e nas lojas Refazenda dos shoppings Recife e Rio Mar e no Rosarinho, na Rua Telles Júnior, nº 489. Mais informações pelo telefone (81) 3355-3322.


Serviço:

Show “E o enredo virou MPB”
Local: Teatro de Santa Isabel
Data: 6 de setembro
Hora: Às 20h
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada para estudantes e maiores de 65 anos)
Informações: 3355-3322

Nenhum comentário:

Postar um comentário