segunda-feira, 23 de julho de 2018

Camará Shopping promove Oficina de Slimes

Até o dia 31 de julho, o Camará Shopping, em Camaragibe, promove uma divertida Oficina de Slimes. Os pais podem até não saber do que se trata, mas é só perguntar a qualquer criança e ela vai dizer rapidinho. O slime virou febre no mundo inteiro. A brincadeira consiste em modelar, colorir e decorar uma massinha extremamente flexível, que promove uma sensação tátil indescritível. A atividade é extremamente relaxante, não só para quem está com a mão na massa, mas também para aqueles que apenas observam. As substâncias são antialérgicas.

Durante a atividade, crianças e adolescentes (04 a 12 anos) irão aprender a criar seu próprio slime, escolhendo cores, brilhos e até a consistência. Monitores irão ajudar nas tarefas. O som produzido no manuseio é divertido e também faz parte da brincadeira.

A diversão tem duração de 60 minutos e custa a partir de R$ 15,00. O participante poderá levar para casa a sua massinha e para os que quiserem continuar a animação em casa, o espaço irá disponibilizar a venda de slimes avulsos e kits para produção de forma doméstica. A Oficina de Slime está localizada no piso L2, em frente à loja Renner.





Pernambuco: 94% do rebanho foi vacinado contra a febre aftosa

A cobertura vacinal da primeira etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa realizada em maio deste ano cumpriu a meta e imunizou 94% do rebanho Pernambucano. Dos 1.798.761 animais existentes 1.698.395 foram vacinados.

A regional que teve a maior cobertura vacinal foi a Regional Recife com 97,17% e que abrange 24 municípios, já o menor índice foi registrado na Regional Serra Talhada com o percentual de 92,35% de imunização. “Os produtores pernambucanos cumpriram seu papel e vacinaram seu rebanho, fazendo com que o Estado mais uma vez atingisse a meta exigida pelo Ministério de Agricultura, pecuária e Abastecimento que é de imunizar pelo menos 90% do rebanho”, explicou o presidente da Adagro, Paulo Roberto Lima.

A segunda etapa da campanha de vacinação acontecerá no mês de novembro e só devem ser imunizados animais com idade até 24 meses. A mudança no calendário de vacinação acontece porque Pernambuco está trabalhando para se tornar reconhecido internacionalmente área livre de febre aftosa sem vacinação em 2022.

Imprensa ADAGRO PE

domingo, 22 de julho de 2018

Férias escolares: atenção aos olhos nas férias e cuidado na volta às aulas

Época de férias, videogames, viagens e brincadeiras na praia, julho é um mês agitado para a criançada. O período de recesso escolar, porém, pode causar impacto no desempenho no retorno às aulas, por conta de possíveis problemas nos olhos. Uma vista com adversidades pode ser confundida com déficit de atenção na hora de entender a explicação do professor da escola, por exemplo.

Para a oftalmologista do Instituto de Olhos Fernando Ventura, Alexandre Ventura, ficar muito tempo em frente à TV, celular ou videogame pode causar síndrome do olho seco, miopia e até lesão na retina. Segundo Alexandre, para evitar problemas, o indicado é utilizar colírios lubrificantes com orientação médica, reduzir a luz dos equipamentos e diminuir o tempo de uso.

“Muitas vezes um animal de estimação vai estimular novas atividades longe do celular, pode ser também uma leitura de um livro, brincadeiras antigas como pega-pega, esconde-esconde, enfim, opções variadas além dos tecnológicos. Se você libera seu filho a ter um uso excessivo de celular, muito provavelmente ele vai precisar usar um óculos”, ressaltou Ventura.

Já para a oftalmologista pediatra do IOFV Kátia Duarte, a saúde dos olhos muitas vezes é confundida com outros problemas quando as crianças voltam às aulas. Antes de rotular o jovem com déficit de atenção ou preguiçosa, é importante submete-lo a exames oftalmológicos.

“O aluno pode se tornar disperso pelo simples fato de não conseguir ver o quadro, então ela vai querer brincar, conversar, mas não vai querer copiar as coisas escritas na lousa, já que não são nítidas ao olho delas”, explicou a médica.



Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha será celebrado em Caruaru

Em celebração pelo Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, comemorado na próxima quarta-feira (25), a Prefeitura de Caruaru, através da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM) realizará a Semana da Mulher Negra em Caruaru. O evento inicia na data comemorativa com a palestra da coordenadora de Igualdade Racial do Recife, Marta Almeida, e o lançamento da Campanha Xô Racismo e Violência, Avante Resistência, às 14h, no auditório da SPM.

A programação segue até o dia 29 com diversas atividades e foi elaborada com o objetivo de reforçar a importância da mulher negra para a sociedade e visibilizar por meio de palestras, lançamento de campanha, rodas de diálogo e incentivo ao afro-empreendedorismo, a necessidade de mais políticas públicas para melhoria da realidade social dessa população.

O Dia Internacional da Mulher Negra e Caribenha, comemorado em 25 de julho, é reconhecido pela ONU, e surgiu quando em 1992, mulheres negras militantes organizaram o primeiro Encontro de Mulheres Negras Latinas e Caribenhas, em Santo Domingo, na República Dominicana. Nesse evento foram discutidos temas como machismo, racismo e as formas de enfrenta-los.

No Brasil, a data é celebrada desde 25 de julho de 2014, através da Lei N° 12.987, que dispõe sobre a criação do Dia Nacional de Tereza de Benguela, em alusão ao Dia Internacional da Mulher negra e Caribenha, para reverenciar nacionalmente essa heroína que foi líder quilombola do século XVIII. Conhecida também como “Rainha Tereza”, Tereza de Benguela lutou por mais de 20 anos contra a escravidão no Brasil à frente do Quilombo do Piolho, localizado na Chapada e no vale do Guaporé, onde atualmente se localiza o estado do Mato Grosso.

Violência machista

Além do enfrentamento ao racismo, as mulheres negras precisam lidar diariamente com as violências machistas também. São as maiores vítimas da violência obstétrica, abuso sexual e feminicídio. De acordo com o Mapa da Violência 2016, os homicídios de mulheres negras aumentaram 54% em dez anos no Brasil, passando de 1.864, em 2003, para 2.875, em 2013, enquanto os casos com vítimas brancas caíram 10%.

As mulheres negras são as que menos tem visibilidade nos meios de comunicação, que estão em menor número nos cargos de chefia e da política, e nas universidades. A desigualdade entre mulheres brancas e negras no Brasil, é enorme. Mulheres brancas recebem 70% a mais do que negras, segundo a pesquisa Mulheres e Trabalho, do IPEA, publicada em 2016.

Serviço:
Abertura da Semana da Mulher Negra em Caruaru
Dia: 25.07.2018 (quarta-feira)
Hora: 14h
Local: Auditório da Secretaria de Políticas para Mulheres de Caruaru.
Endereço: Rua Padre Rolim, nº 40, Bairro Maurício de Nassau.

Imprensa Caruaru




Mutirão dos superendividados no Recife a partir desta segunda (23)

A partir da próxima segunda-feira (23/07) o Governo do Estado inicia mais um Mutirão dos Superendividados na capital pernambucana. A ação, realizada pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), através do Procon-PE, é uma ótima oportunidade para negociar dívidas. Os atendimentos serão realizados até o dia 03 de agosto e acontecerão na sede do Procon, localizado na Rua Floriano Peixoto, 141, bairro de São José, no Recife, das 8h às 13h, com número de senhas limitadas.

A ação irá contar com a participação de todos os bancos, através da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Celpe, Compesa, OI, TIM, Claro, Vivo e NET. Como aconteceu na edição passada, as prefeituras do Recife, Olinda e Paulista participarão negociando dívidas do IPTU. Todas as negociações serão acompanhadas por advogados do Procon, para garantir que o consumidor receba, de fato, uma proposta diferenciadas e que se enquadre em sua realidade financeira.

Todas as empresas, exceto os bancos, que precisam do prazo de 10 dias para apresentar as propostas, realizarão audiências no momento do atendimento para que o consumidor saia do local com a negociação fechada.

Para participar do mutirão é necessário apresentar original e cópia da carteira de identidade, CPF e o comprovante de residência, além de documentos que possam comprovar a dívida, como nota fiscal, ordem de serviço, faturas, comprovante de pagamento e/ou contrato, número de protocolo, entre outros. Caso no documento conste o nome de outra pessoa, que não seja o titular, é preciso procuração reconhecida em cartório para a representação.

Essa é a segunda edição de 2018. A primeira aconteceu no município de Palmares, no início do mês de maio.

Atendimento - Do dia 23 de julho a 03 de agosto, a sede do Procon/PE funcionará exclusivamente para atendimento do mutirão. As demais 52 unidades do Procon/PE espalhadas pelo Estado funcionarão normalmente. Para saber uma próxima a sua residência basta entrar no site do órgão: www.procon.pe.gov.br


Imprensa Procon PE

Corpo de Bombeiros de Pernambuco constrói quartel com custo cinco vezes menor

Utilizados como alternativa sustentável e de baixo custo na construção de residências e hotéis em vários países, os contêineres marítimos customizados são a base da estrutura do quartel do Corpo de Bombeiros Militar que será inaugurado na próxima segunda-feira (23) em Carpina, na Zona da Mata Norte de Pernambuco. A unidade começou a funcionar em regime experimental na última quarta-feira (18).

Foram investidos na instalação do quartel R$ 600 mil. “Se fosse construído de forma convencional, o custo seria de R$ 3 milhões, afirma o comandante do 7º Grupamento de Bombeiros, o tenente-coronel Edson Marconni. “Com o valor de um quartel construído em alvenaria, nós podemos instalar cinco quarteis de contêineres”, ressalta. Além disso, ele destaca que a obra ficou pronta em apenas dois meses. Se fosse construída com concreto e tijolo, o tempo da obra seria de dois anos.

Com capacidade para um efetivo de 25 bombeiros militares, a unidade dispõe oito módulos que funcionarão como escritórios, alojamentos, refeitório, banheiros e área de lazer. A construção da unidade é uma iniciativa do governo do Estado em parceria com a Prefeitura de Carpina, que doou o terreno e também ficou responsável pelas obras de pavimentação e saneamento, além da instalação de internet e telefone.

Este é o primeiro quartel do Pernambuco a ser construído com contêineres. Outros projetos estão previstos para Arcoverde e Goiana. Com a customização, os contêineres receberam piso, revestimento térmico no teto e paredes, além de serem equipamentos com ar condicionados. “Os módulos habitáveis oferecem o mesmo conforto que os cômodos de alvenaria”, afirma Manoel Ferreira, diretor da Agemar Empreendimentos, empresa responsável pela adaptação dos contêineres.

Com a instalação do quartel, além de contar com uma unidade para assistência em operações de resgate, salvamento e combate a incêndio, a população de Carpina e de mais 18 municípios da região não precisará mais se deslocar até o Recife a fim de ter acesso a atividades técnicas como a emissão de laudos para regularização de projetos a serem implantados nos municípios.

Econômico e ambientalmente correto, os contêineres customizados são alternativas já testadas e aprovadas tanto na construção de habitações, como de escritórios ou espaços comerciais no âmbito da arquitetura sustentável.

Em Pernambuco, esses módulos habitáveis podem se encontrados em lojas, fast foods, em canteiro de obras e em estação de passageiros, como a do aeroporto de Serra Talhada.

No exterior, os contêineres já são utilizados em escala bem maior. O projeto mais famoso é a “Container City”, um centro empresarial construído em Londres em 2001 e depois ampliado com a implantação do Container City II. Esse projeto inspirou outras inciativas pelo mundo em cidades como México e Amsterdam.



Taquaritinga do Norte, no Agreste, volta a receber água nas torneiras

Os técnicos da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) estão trabalhando em ritmo acelerado para reativar o Sistema de Abastecimento de Água de Taquaritinga do Norte, município localizado no Agreste Setentrional, distante 191 quilômetros do Recife. A iniciativa será possível graças à recuperação do nível da barragem Mateus Vieira, que estava em colapso desde abril de 2015. A expectativa da companhia é iniciar a fase de testes do sistema, nesta semana, para que os 15 mil moradores da cidade voltem a receber água regularmente nas torneiras ainda em julho.

Com as chuvas registradas na região no primeiro semestre deste ano, o manancial conseguiu se recuperar e atingiu o volume 598 mil metros cúbicos, que corresponde a 21,75% da sua capacidade máxima de armazenamento (2,7 milhões de metros cúbicos). “Durante o colapso da barragem, o município foi atendido exclusivamente por meio de carro-pipa. Com o volume atual do reservatório, iremos abastecer a cidade, em regime de rodizio, até o próximo inverno”, informa Bruno Adelino, gerente de Unidade de Negócios da Compesa. Desde que o reservatório alcançou nível suficiente para reativar o sistema, os técnicos da companhia estão realizando uma série de ações nas unidades operacionais, uma vez que os equipamentos ficaram mais de três anos sem funcionamento.

Segundo o gerente da Compesa, foi preciso realizar serviços de manutenção nos oito conjuntos motobombas das quatro estações elevatórias que integram o sistema de abastecimento de Taquaritinga do Norte, além de reativar a estação de tratamento de água e substituir os registros e outros equipamentos da unidade. “Aproveitamos para informar aos moradores que, durante a fase de testes, poderão ocorrer vazamentos na rede. Mas reforçaremos as equipes para que as interrupções ocorram no menor tempo possível”, antecipa o gerente da companhia, Bruno Adelino. Após a finalização dos testes, a Compesa terá condições de informar o calendário de distribuição de água da cidade.

Adutora do Alto Capibaribe 

Para resolver a questão hídrica de Taquaritinga do Norte de forma definitiva, o governador Paulo Câmara solicitou ao presidente da Compesa, Roberto Tavares, a inclusão do município no projeto da Adutora do Alto Capibaribe. A obra já está em execução e atenderá outras oito cidades do Agreste. O empreendimento recebe um investimento de R$ 82 milhões e beneficiará mais de 230 mil pessoas. A adutora terá 70 quilômetros de extensão e será alimentada com águas da Transposição do Rio São Francisco a partir de uma captação no Rio Paraíba, próximo ao Açude Boqueirão, na cidade de Barra de São Miguel, no estado da Paraíba. A obra deve ser finalizada em 15 meses.

Imprensa Compesa



Espetáculo O Massacre de Angico – A Morte de Lampião será apresentado em Serra Talhada

Há 80 anos o terrível encontro entre militares do Governo Getulista e cangaceiros liderados por Lampião e sua esposa, Maria Bonita, praticamente pôs fim à chamada Era do Cangaço. Essa história é contada em detalhes no espetáculo “O Massacre de Angico – A Morte de Lampião”. A peça com texto de Anildomá Willans de Souza e direção de José Pimentel será encenada entre os dias 25 e 29 de julho, sempre às 20h, na Estação do Forró (antiga Estação Ferroviária), em Serra Talhada, como parte da programação do “Tributo a Virgolino - A Celebração do Cangaço”, evento promovido pela Fundação Cabras de Lampião para recordar os 80 anos da morte do cangaceiro mais famoso.

Numa realização da Fundação Cultural Cabras de Lampião, com patrocínio do FUNCULTURA/Secretaria de Cultura/Governo do Estado de Pernambuco e Prefeitura Municipal de Serra Talhada, além de diversas empresas locais, a montagem, que teve sua estreia em julho de 2012, com absoluto sucesso, deve reunir mais de 50 mil pessoas nesses cinco dias da temporada. A entrada é franca.

São 50 atores e 70 figurantes, além de 40 profissionais na equipe técnica e administrativa. No elenco, atores da própria Serra Talhada, mas também do Recife e de Olinda, além da atriz e cantora Roberta Aureliano, que interpreta Maria Bonita e é natural de Maceió (AL) mas passou toda a infância em Serra Talhada.

O ator e dançarino Karl Marx, 27 anos, vive o protagonista. Integrante do Grupo de Xaxado Cabras de Lampião, ele comemora 13 anos à frente do mesmo papel, em outras montagens: “a responsabilidade é grande porque se trata de um personagem que mexe com a imaginação das pessoas, que influenciou a cultura popular sertaneja, os valores morais e até o modo de viver do nosso povo”. Para ele, é um orgulho revelar o lado humano de Lampião. “Este trabalho é mais do que um desafio profissional. É quase uma missão de vida, ainda mais quando se trata de Cangaço, tema polêmico que gera divergências, contradições e até preconceitos”, conta.

A história - “O Massacre de Angico – A Morte de Lampião” reconta a vida do Rei do Cangaço, Lampião, desde o desentendimento inicial de sua família com o vizinho fazendeiro, Zé Saturnino, ainda em Serra Talhada. Para evitar uma tragédia iminente, seu pai, Zé Ferreira, fugiu com os filhos para Alagoas, mas acabou sendo assassinado por vingança. Revoltados e querendo fazer justiça com as próprias mãos, Virgolino Ferreira da Silva e seus irmãos entregaram-se ao Cangaço, movimento que deixou muito político, coronel e fazendeiro apavorado nas décadas de 1920 e 1930 no Nordeste. Temidos por uns e idolatrados por outros, os cangaceiros serviram como denunciantes das péssimas condições sociais daquela época.

A peça conta a história de Lampião no cangaço até o trágico momento de sua morte. É que na madrugada do dia 28 de julho de 1938, na grota de Angico, em Sergipe, 11 integrantes do bando de cangaceiros, inclusive os já então famosos líderes Lampião e Maria Bonita, foram mortos e tiveram suas cabeças decepadas pelos militares.

O “molho” que rege toda a história da peça é o perfil apresentado deste homem, símbolo do Cangaço, visto por um outro viés, mais humano. “Mostraremos ao público um Lampião apaixonado, que sentia medo e que era afetuoso. Vamos apresentar não somente a sua postura diante da guerra travada contra os coronéis e fazendeiros, contra a polícia e toda a estrutura de poder, mas também a postura de um homem que amava as poesias e sua gente”, revela Anildomá.

Ambientada em cima de uma ribanceira de terra batida, durante uma hora e meia, a encenação acontece, contando com uma arrojada trilha sonora - além das vozes gravadas dos intérpretes, inclui obras de Chico Science a Amelinha, além de músicas do cancioneiro popular como Mulher Rendeira e a canção Se Eu Soubesse, na voz da atriz e cantora Roberta Aureliano, intérprete da Maria Bonita. A iluminação é detalhista e há efeitos especiais que são assinados, assim como os cenários, pelo mago da cenografia pernambucana Octávio Catanho (Tibi), parceiro de José Pimentel em todos os seus outros trabalhos.

Com informações da jornalista Valeska Araújo



Caruaru: cadastramento de cadeirantes termina em 31 de julho

A Prefeitura de Caruaru, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos reforça que o prazo para o cadastramento dos cadeirantes, que vem sendo realizado pelo município, termina no dia 31 de julho deste ano. O intuito da ação é fazer um mapeamento daqueles que são dependentes de transportes públicos, para realizar um diagnóstico da real situação de locomoção e localidade onde todos residem. Para isso, a secretaria conta com a colaboração dos cadeirantes, que precisam procurar o CRAS mais próximo ou o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, localizado na Rua Rodrigues de Abreu, número 101, no bairro Maurício de Nassau. É necessário levar RG, CPF, Título de Eleitor, número do NIS, cartão do SUS, comprovante de residência e Laudo Médico.

Imprensa Caruaru

Governo federal anuncia operação em pontos de fronteira em nove estados

A cidade de Campo Grande (MS) será a base da Operação Fronteira Segura, anunciada na última quinta-feira (19) pelo Ministério da Segurança Pública (MSP). Cerca de 300 integrantes da Polícia Federal e da Força Nacional vão reforçar pontos estratégicos em nove estados. A informação foi divulgada pelo ministro Raul Jungmann, durante a abertura do Fórum Permanente de Segurança na Fronteira de Mato Grosso do Sul, na capital do estado.

"Esse efetivo tem como missão cumprir o dever do governo federal de reforçar a presença nos postos avançados, prestando pronto-atendimento a demandas de polícia dentro de suas atribuições e provendo a segurança local", explicou Raul Jungmann. "Esse trabalho é fundamental para prevenir e reprimir crimes transnacionais, especialmente a entrada no país de drogas e armas", definiu o ministro.

O comando da operação Fronteira Segura está sendo instalado em Campo Grande e será responsável pelo apoio operacional e administrativo. A distribuição do efetivo será feita nos postos avançados de fronteira, conforme necessidade operacional e planejamento da PF, inicialmente, em nove estados: Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Rondônia, Roraima e Santa Catarina.

O suporte da Força Nacional à PF nos postos de fronteira será feito até o fim de novembro de 2018, prazo que pode ser prorrogado, se necessário. Além desses novos apoios em cidades como Oiapoque (AP), Tabatinga (AM), Epitaciolândia (AC), Guajará-Mirim (MS) ou Paraíso (SC), a Força Nacional já dava suporte à PF, desde 2017, em Pacaraima (RR), Caarapó (MS) e Foz do Iguaçu (PR).

A Força Nacional é um programa de cooperação federativa entre União, estados e Distrito Federal criado para prestar apoio aos entes federativos contra o crime e a violência em qualquer ponto do país. Ela é coordenada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Segurança Pública (MSP), ao qual também é subordinada a Polícia Federal.

Imprensa MSP

Pernambuco não autoriza reajuste de 17,08% no preço do gás natural

Amparado por estudos técnicos da Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe), o Governo do Estado não irá adotar o aumento de 17,08% no preço do Gás Natural (GN), repassado pela Petrobras, à Companhia Pernambucana de Gás (Copergás). Esse número é o resultado do percentual acumulado do segundo reajuste repassado pela Petrobrás de 11,7% (previsto para o próximo mês de agosto) e do aumento de 4,8% (do último mês maio).

A decisão foi anunciada pelo governador Paulo Câmara, hoje (19.07), durante reunião com o presidente da Federação de Indústrias de Pernambuco (Fiepe), Ricardo Essinger, com o secretário de Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação Profissional, Alexandre Valença, o presidente da Copergás, Roberto Fontelles, e o diretor de regulação da Arpe, Fred Maranhão.

“Não concordamos com essa política de reajuste de preços adotada pela Petrobras, que não leva em consideração o impacto desses aumentos abusivos sobre a economia do País. Estamos, principalmente, pensando nos milhares de empregos criados pelas indústrias instaladas em Pernambuco, que teriam a competitividade reduzida caso esses reajustes fossem repassados aos consumidores”, justificou Paulo.

Mais de 90% do Gás Natural distribuído pela Copergás é destinado ao setor industrial pernambucano. Para o presidente Ricardo Essinger, o anúncio do governador Paulo Câmara de não repassar os reajustes foi um alívio para o setor. “A gente precisa dar condições para que a indústria continue gerando emprego, porque a grande massa de emprego gerado é pela média e pequena indústria, então precisamos apoiá-las dessa forma para que elas voltem a se desenvolver”, pontuou.

Fred Maranhão explicou que o contrato entre a Copergás e a Petrobrás prevê uma política de reajuste no preço do GN de três em três meses e que, no dia 1º de maio, a Arpe recebeu um aviso para aumento de 4,8% do produto e, para o próximo dia 1º de agosto, um reajuste de 11,7%. O diretor de regulação da Arpe disse ainda que os aumentos não foram repassados para o consumidor pernambucano, pois os estudos da agência demonstraram que a rentabilidade da Copergás não ficará abaixo do mínimo contratualmente estabelecido.

Secretaria de Imprensa de Pernambuco

Obras da Adutora de Serro Azul já são realidade no Agreste

A execução da obra da Adutora de Serro Azul, um importante empreendimento para garantir a sustentabilidade hídrica do Agreste, está a todo vapor. Duas frentes de trabalho estão concentradas no assentamento de tubulações, uma situada no distrito de Sapucarana, em Bezerros, e outra em Santa Cruz do Capibaribe, próxima a Estação de Tratamento de Água (ETA) da cidade e da PE-160, e já contabilizam dois mil metros de rede implantados. A adutora vai transportar água da Barragem de Serro Azul, situada em Palmares, na Zona da Mata Sul, para atender dez municípios do Agreste, a região que mais sofre com os efeitos da escassez de chuvas decorrentes do histórico de secas cíclicas. Serão beneficiados 1, 5 milhão de pessoas em Belo Jardim, Sanharó, Caruaru, Tacaimbó, São Bento do Una, São Caetano, Santa Cruz do Capibaribe, Toritama, Bezerros e Gravatá.

Segundo o presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Roberto Tavares, encontrar alternativas para resolver a questão hídrica do Agreste tem sido um grande desafio para o governador Paulo Câmara, que não tem medido esforços para captar os recursos necessários para viabilizar as obras. “Não podemos deixar de enaltecer o esforço e competência dos técnicos da Compesa que têm apontado várias alternativas para operacionalizar obras que visam ao aproveitamento das fontes hídricas existentes, mesmo que sejam projetos de transposições de bacias ou construção de adutoras de médio e longos percursos”, argumenta Tavares. O presidente enaltece a escolha da captação na Barragem de Serro Azul, concebida inicialmente para contenção de cheias na Mata Sul e por estar localizada em uma região onde há bons índices de pluviometria.

A adutora de Serro Azul terá 58 quilômetros de extensão, saindo de Palmares até o ponto de interligação com a Adutora do Agreste, entre os municípios de Caruaru e Bezerros. Serão captados na barragem 500 litros de água, por segundo, vazão suficiente para ampliar significativamente a oferta de água nas cidades contempladas. A obra conta com um aporte de R$ 200 milhões, fruto de um convênio com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com previsão de conclusão para julho do próximo ano. O empreendimento conta ainda com a construção de quatro estações elevatórias (sistemas de bombeamento), implantação de reservatórios com capacidade total de 4.500 metros cúbicos de água, instalação de 28 quilômetros de linhas de transmissão elétrica, além da automação do sistema.

ETA Belo Jardim 

Uma das frentes de trabalho relacionadas ao projeto da Adutora de Serro Azul está situada na Estação de Tratamento de Água (ETA) de Belo Jardim. A unidade está recebendo uma obra de adequação, ampliação e modernização a fim de triplicar a sua capacidade de operação, de 180 litros de água, por segundo, para 600 L/s. Por meio da Adutora do Agreste, a ETA receberá água da Transposição do Rio São Francisco – trazida para a região Agreste pela Adutora do Moxotó, que já está em pré-operação. Quando a Adutora de Serro Azul estiver pronta, a ETA de Belo Jardim também receberá água da Barragem de Serro Azul. Nesse caso, a água vai percorrer um caminho de 58 quilômetros da Mata Sul até Bezerros e, de lá, seguirá por mais 100 quilômetros, pelas tubulações da Adutora do Agreste ao longo da BR-232, até a ETA de Belo Jardim. Além da população de Belo Jardim, da ETA também sairá água para atender as cidades de Tacaimbó, Sanharó e São Bento do Una. Essa obra, que deve ser concluída dentro de dez meses, está orçada em R$ 4 milhões. 

Imprensa Compesa


I Workshop Municipal de Educação Inclusiva em Limoeiro

Na sexta-feira da próxima semana (27), a Prefeitura Municipal de Limoeiro, através das secretarias de Educação e Esportes e Desenvolvimento Social e Cidadania e Saúde, promove uma ação inédita na Princesa do Capibaribe: o I Workshop Municipal de Educação Inclusiva. Com o tema “Gestão de mudança: Quebrando barreiras e desafiando a inclusão social” e foco na inclusão em sala de aula, o evento tem os objetivos de promover as potencialidades das pessoas com deficiência, estimulá-las à busca pelo conhecimento e orientá-las para uma melhor qualidade de vida. 

A abertura do Workshop acontecerá no auditório do Instituto Padre Luís Cecchin (IPLC), na quinta-feira (26), às 19h. Na sexta-feira (27), em horário integral, a partir das 7h30, a Faculdade de Ciências Aplicadas de Limoeiro (Facal) receberá oficinas voltadas para temas das áreas de Educação, Assistência Social e Saúde. Os serviços serão oferecidos a profissionais das redes municipal, estadual e privada de ensino, bem como aos demais profissionais das diversas áreas e à sociedade civil.

De acordo com a Secretaria de Educação e Esportes, a rede pública municipal de ensino atende 250 estudantes com necessidades especiais e 300 em fase de estudo. Para isso, dispõe de 34 cuidadores para alunos com deficiência e sete intérpretes para alunos surdos. A rede também conta com professores para Atendimento Educacional Especializado (AEE), que visam o bem-estar e boas condições de aprendizado aos jovens.

Oficinas do I Workshop Municipal de Educação Inclusiva
Local: Faculdade de Ciências Aplicadas de Limoeiro (Facal)
Horário integral: 8h às 17h

1. “A Psicologia além da instituição” – Jussara Rodrigues da S. Cardoso (psicóloga)
2. “Todo cérebro aprende” – Luciene Lira Barbosa M. de Lima (psicopedagoga clínica)
3. “Consciência fonológica” – Thaís Vanessa Rocha Lobo (fonoaudióloga)
4. “Terapia ocupacional na inclusão escolar” – Thamyris Mayara da Cruz (terapeuta ocupacional)
5. “O aprendizado das Libras no processo de formação docente para a educação de surdos” – Álvaro Ferreira (professor)
6. “A educação inclusiva como objeto de intervenção do assistente social” – Maria José de Lima Tavares (assistente social)

Imprensa Limoeiro


Badi Assad leva sua volta ao mundo para O Música na Catedral em Garanhuns

A cantora, compositora e violonista Badi Assad é a atração do Música na Catedral, promovido pelo Conservatório Pernambucano de Música no 28º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG). Será a estreia em Pernambuco do novo show Volta ao Mundo em 80 Artistas, nesta segunda (23), às 16h, na Catedral de Santo Antônio. Badi se apresenta acompanhada por Lívia Matos no acordeom e Claudinho Santana na percussão. A entrada é gratuita.

A nova turnê de Badi é baseada no lançamento do seu primeiro livro "Volta ao Mundo em 80 Artistas", publicado pela editora Pólen. A obra tem prefácio de Chico César e traz crônicas sobre artistas da música de cada canto do mundo. Já o show, conta com direção geral de Xarlô e figurino de Karla Pessoa. Na apresentação, Badi revela algumas histórias sobre artistas da música de diversas partes do mundo, inclusive as que a artista vivenciou nas tantas viagens que fez em mais de 26 anos de carreira internacional. 

No repertório, músicas de estilos e etnias diversas, Badi também canta em idiomas diferentes - composições autorais, parcerias, releituras frescas ou já gravadas nos mais de 14 discos lançados pelo mundo, entre elas: O Barco Daqui de Dentro (Badi Assad), Zoar (Badi Assad e Chico César), Saudade Verdade e Sorte (Badi Assad e Pedro Luís), Bachelorette (Bjork), Acredite ou Não (Lenine e Braulio Tavares), Hunger of the Pine (Allt-J) e Millones(Camila Moreno). Tudo inspirado no conteúdo que abordado em seu livro. 

Programação do Música na Catedral

23/7 – Segunda-feira
16h – Badi Assad, Lívia Matos e Claudinho Araújo com o show Volta ao Mundo em 80 Artistas
21h – Mônica Salmaso (voz) e Marco Pereira violão)


27/7 (Sexta-feira)
21h – Pianorquestra com o show Linha do Tempo

28/7 (Sábado)
16h – Francis Hime, Olívia Hime e Orquestra de Câmara de Pernambuco
Regência: José Renato Accioly
21h – Lívia Nestrovski (voz) e Fred Ferreira (guitarra)

SERVIÇO:
Conservatório Pernambucano de Música no Festival de Inverno de Garanhuns 2018 – Dias 23, 27 e 28 de julho, na Catedral de Santo Antônio (Garanhuns). Gratuito.


Oficina de capacitação para costureiras de Caruaru

Neste sábado (21), 40 mulheres envolvidas no ramo de confecções de Caruaru participaram da “1ª Oficina Mulheres na Confecção: Negociando Melhores Condições de Trabalho”, promovida pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), e Prefeitura de Caruaru, através da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM). A atividade fez parte do projeto “Vozes da Moda: Agreste 2030”, encabeçado pelo DIEESE, e aconteceu no auditório da SPM.

A ação foi desenvolvida com o objetivo de promover o debate sobre o trabalho das mulheres na atividade de confecção, identificando espaços de construção de ações coletivas que possibilitem melhores condições de trabalho por meio do diálogo social. “A gente veio desenvolver essa ação aqui no Polo de Confecções do Agreste, pensando em olhar como esse trabalho se dá na região, como envolve as pessoas, se elas têm uma relação assalariada, formalizada, informal, enfim, como essas mulheres estão inseridas em todo esse processo produtivo”, explicou a economista do Dieese, Milena Prado, palestrante do evento.

A economista destacou também o papel da SPM em possibilitar esse momento. “A SPM É um órgão extremamente importante no sentido de promover, de articular políticas públicas, que não só prepara a condição das mulheres para melhor se inserir na questão do trabalho, mas resgatando um pouco dessa cidadania, da importância delas”, frisou Milena. O projeto, segundo Milena, foi discutido com o Instituto C&A, que investe em pesquisas e estudos voltados para a área da melhoria das condições de trabalho nas cadeias têxteis e confecções. A segunda etapa da oficina será realizada em breve, e terá como foco a construção de ações coletivas.

A ação desenvolvida hoje em Caruaru, tem o projeto original veiculado ao Instituto Etos, que trabalha com responsabilidade empresarial, o Repórter Brasil, que atua com investigação jornalística na área de cadeias produtivas com relação ao trabalho, e o Instituto Impacto, que trabalha na erradicação do trabalho escravo. A costureira autônima Maria Valdinete, do Bairro das Rendeiras, participou do evento e aprovou a iniciativa e o conteúdo repassado. “Essa oportunidade de hoje foi muito esclarecedora e nos abriu novos horizontes. Foi também o momento de conhecer novas pessoas, trocar ideias e saber mais dos nossos direitos”, destacou.

Imprensa Caruaru


WhatsApp para Campanha Eleitoral

Bastante usado em todo o mundo e massivamente no Brasil, o WhatsApp surgiu inicialmente como uma rede social para conversas entre amigos e familiares. Não demorou muito e logo ele foi descoberto como ferramenta para fins variados, a exemplo do marketing político. E é exatamente este fim o foco do curso “WhatsApp para campanha eleitoral”, a ser ministrado pela consultora em marketing político digital Rosário de Pompéia (foto ao lado).

“Essa será a eleição do WhatsApp, sem dúvida, mesma a rede social não sendo uma novidade. É preciso ter em mente as peculiaridades que ela tem. Ao contrário do Facebook eInstagram, nela a capacidade de monitoramento é reduzida, pois as conversas se dão de pessoa para pessoa. Nesse caso, ter uma boa estratégia é fundamental para conseguir resultados satisfatórios", afirma a diretora da Le Fil.

Rosário destaca a influência da rede em recentes votações no México e na Índia. "São países que, assim como o Brasil, têm o WhatsApp como principal rede social. No México, por exemplo, viralizou uma informação falsa de que as pessoas deviam se recadastrar de última hora para poder votar. Essa foi só uma das fake news que levaram temor à população na campanha de lá", comenta.

O cenário desfavorável das fake news é apenas um entrave para se fazer marketing político pelo aplicativo de mensagens. "É preciso ter uma estratégia sólida para potencializar os militantes e fazer com que eles repassem a informação com qualidade e corretamente”, explica Pompéia. No curso, serão abordadas ainda a importância de ter um conteúdo de relevância e a legislação relacionada ao marketing eleitoral. A capacitação é voltada para jornalistas e profissionais que atuam com redes sociais e política.

Os interessados podem se inscrever através do link https://goo.gl/h81aaJ. Serão disponibilizadas 30 vagas e o valor da inscrição é de R$ 300.

SERVIÇO

Curso “WhatsApp para campanha eleitoral” – Quarta-feira, 25 de julho, das 9h às 12h, no Trinus Office (Rua Mal. Rondon, 146, Casa Forte. Valor: R$ 300. Inscrições no link: https://goo.gl/h81aaJ.




Funcionários do Judiciário podem entrar de greve

O SINDJUD PE convoca todos os Servidores do Poder Judiciário do Estado de Pernambuco para a assembleia extraordinária que será realizada na próxima terça-feira, 24 de julho, às 13h, no auditório do Fórum Rodolfo Aureliano (segunda andar – ala norte).

As despesas de deslocamento dos Servidores sindicalizados do interior serão reembolsadas pelo SINDJUD PE.

#ValorizaçãoAlémDasMetas #MuitoAlémDasCanecas #NegociaTJPE #BrinqueComIssoNão

PAUTA:

1- Campanha Salarial 2018;
2- Paralisação dos Servidores do TJPE pela não formalização de proposta da reposição inflacionária (direito garantido pela constituição) por parte da presidência do TJPE, mesmo após a data base, descumprindo a lei nº 14.454 de 26/10/11.

Imprensa SINDJUD PE


O médico brasileiro que busca a cura definitiva do HIV combinado com vacina personalizada

Há seis anos, o infectologista Ricardo Diaz devota a maior parte do tempo do seus dias à solução de um problema global: a infecção pelo vírus HIV. E ele pode estar chegando mais perto da cura, conforme indicam os resultados preliminares de seu experimento, obtidos pela BBC News Brasil.

Diaz, que é pesquisador da Escola de Medicina da Unifesp, lidera um estudo que, no último ano, conseguiu erradicar completamente o vírus HIV de duas pessoas soropositivas, segundo os resultados.

Agora, elas estão sendo acompanhadas para ver como seu organismo reage sem o tratamento experimental.

O estudo ainda não foi publicado, mas será apresentado na íntegra, pela primeira vez, no Congresso Internacional de Aids, o mais importante do mundo sobre o tema, que acontece na Holanda a partir desta segunda-feira.

A infectologista Melissa Medeiros, especialista em HIV e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, diz que a pesquisa é "extremamente promissora" e "traz esperança, acima de tudo". No entanto, ela afirma que é preciso avançar nos testes para saber qual seria o impacto do tratamento nas pessoas.

"Quando se fala de algo assim, as pessoas já acham que a cura chegou. Mas é importante saber que há um tempo de pelo menos cinco a 10 anos até as pesquisas chegarem à população. É preciso bastante tempo até sabermos se a pesquisa será mesmo bem-sucedida e se é segura", disse à BBC News Brasil.

Impedindo a volta do vírus HIV

O tratamento contra o HIV disponível atualmente no Sistema Único de Saúde (SUS) é um coquetel de três medicamentos que inibe o máximo possível a reprodução do vírus no corpo, enquanto mantém o sistema imunológico atuante e protege contra infecções oportunistas.

O HIV, no entanto, não é completamente eliminado do organismo, e pode voltar.

A equipe de pesquisadores brasileiros fez uma combinação de medicamentos já utilizados em todo o mundo com mais duas substâncias ainda não usadas neste tipo de tratamento e vacinas personalizadas, feitas com base no DNA de cada participante.

"É a primeira vez no mundo que alguém experimenta esse tratamento específico que fizemos, e a primeira vez que temos resultados tão positivos na primeira etapa. Estamos dando mais um passo na direção da cura", afirmou Diaz à BBC News Brasil.

Em 2015, um estudo dinamarquês combinou um medicamento usado no tratamento de câncer com o coquetel antirretroviral e uma vacina baseada em DNA e conseguiu eliminar os reservatórios do vírus HIV no organismo de pacientes por alguns meses.

Desde então, outros testes do tipo têm sido feitos na Espanha, na Grã-Bretanha, na Noruega, na Alemanha e na Itália, e começam a ocorrer nos Estados Unidos.

A primeira etapa do estudo de Diaz - feito com 30 pessoas - foi finalizada. Apenas cinco delas receberam a combinação completa de tratamentos, e entre elas, duas parecem estar livre do vírus, de acordo com os exames. Este grupo deve ser expandido para pelo menos 50 pessoas até o fim do ano.
Qual o objetivo do novo tratamento?

O tratamento proposto pelos pesquisadores brasileiros quer chegar à "cura esterilizante", que é a eliminação completa do vírus, sem a possibilidade de que ele volte a se replicar - algo que atualmente pode ocorrer se o soropositivo para de tomar o coquetel.

"Atualmente, nós tratamos a pessoa, o vírus morre, paramos de tratar, e o vírus volta. Isso ocorre porque o vírus continua se multiplicando no corpo da pessoa mesmo com o tratamento eficiente", explica o infectologista

De acordo com Diaz, a cura total de pacientes com HIV enfrenta três grandes obstáculos - o fato de que o vírus continua se replicando no corpo mesmo com o coquetel, que apenas mantém essa replicação baixa; o fato de que o vírus fica latente, ou seja, "adormecido", e pode voltar à atividade de maneira aleatória; e a existência dos "santuários", locais do corpo humano onde os medicamentos são pouco distribuídos e o HIV pode continuar se desenvolvendo.

"O que fizemos foi combinar tratamentos que pudessem superar todas estas barreiras", afirma.

Como funcionaram os testes

O estudo foi feito inicialmente em 30 pacientes, divididos em grupos de cinco pessoas. Cada um deles experimentou uma combinação diferente, e o último grupo usou todos os tratamentos em conjunto.

Além do coquetel antirretroviral, eles usaram a nicotinamida, ou vitamina B3, um suplemento alimentar que é vendido em farmácias, mas nunca foi usado contra o vírus HIV. Ele "acorda" as células com o vírus latente no corpo.

A pesquisa usou também o sal de ouro, medicação usada para tratar doenças como artrite que não chega a despertar as células com HIV, mas as leva a um "suicídio", explica Diaz.

E, para eliminar os "santuários" de vírus no organismo dos pacientes, os pesquisadores desenvolveram, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), uma complexa vacina personalizada, que faz com que o sistema imunológico volte a reconhecer o vírus dentro do corpo, encontre esses santuários e mate o vírus.

"Desenhamos, de acordo com o perfil genético da pessoa, o pedacinho do vírus que seria importante pra despertar o seu sistema imunológico", diz o infectologista.

Nas cinco pessoas do grupo 6, que fizeram o tratamento completo, a quantidade de vírus diminuiu mais do que em todas as outras. E em duas delas, o vírus sumiu completamente das células.

"Agora estamos estudando como fazer a interrupção desse tratamento, para ver se elas permanecem sem o vírus por mais tempo. Depois, vamos expandir o estudo."

A cura do HIV está próxima?

O primeiro homem considerado curado do HIV no mundo, o americano Timothy Ray Brown, foi declarado livre do vírus em 2006 após receber a medula óssea de um doador com uma mutação genética rara, que o tornava imune ao vírus.

Brown precisou do transplante porque ele tinha leucemia. Em 2008, a doença voltou e ele teve que fazer um segundo transplante de medula. No entanto, continuou completamente livre do HIV.

Mas, segundo os especialistas, isso não quer dizer que um transplante de medula resolveria os casos de todas as pessoas que são soropositivas no mundo - cerca de 37 milhões em 2017, segundo a ONU.

"Timothy Brown é um caso raro e bastante específico, porque ele teve a sorte de encontrar um doador de medula com uma mutação genética raríssima que faz com que as células de defesa do corpo não tenham um receptor que pode se ligar ao vírus HIV", explica Melissa Medeiros.

"Mas esse tipo de transplante tem um índice de 50% de mortalidade. Não é uma opção terapêutica para todas as pessoas que têm HIV."

Por isso, nos últimos anos, cientistas de todo o mundo têm investido em pesquisas como a feita por Diaz, em que pessoas que já estão em tratamento para controlar o vírus recebem medicamentos extra e uma vacina específica.

"Ser portador do HIV é viver em silêncio, porque as pessoas sentem que não podem contar para a família nem para os amigos, vivem com medo de novos relacionamentos, de como a sociedade vai aceitá-los no trabalho, etc. A cura ainda pode demorar um pouco, mas é realmente essencial", diz Melissa Medeiros.

Necessidade de investimento na prevenção da Aids

Mas, para a epidemiologista Lígia Kerr, que produz estudos sobre HIV para o Ministério da Saúde, é preciso mais do que um tratamento médico para resolver o problema da Aids no mundo.

"Os avanços tecnológicos no tratamento e na cura da Aids são muito bem vindos, mas não são somente eles que vão controlar a situação. Se você tem um tratamento super caro e governos que não estão mais querendo investir na saúde, fica difícil", disse à BBC News Brasil.

É necessário, segundo Kerr, um pacote que inclua prevenção, educação sexual, campanhas com populações mais vulneráveis e tratamento médico, para impedir que o vírus circule.

"Alguns pesquisadores como eu não acreditam nesta cura total da Aids, porque alcançar isto não envolve só medicação, mas comportamento, comprometimento com o outro, uso do preservativo, investimento dos governos", diz.

"Tentamos eliminar completamente outras doenças há anos e não conseguirmos. Por exemplo, a hanseníase. É uma doença tratável, mas, se você não tratar todo mundo, não tem jeito. Você ainda terá o bacilo infectando outras pessoas."

Se for bem-sucedido, o tratamento para curar o HIV seria muito caro?

Diaz afirma que uma vacina personalizada para cada paciente soropositivo no Brasil - e no mundo - seria muito custosa, ainda que ele não tenha uma estimativa real do valor gasto em sua pesquisa até agora. Mesmo assim, ele se diz otimista.

"Há outras coisas na saúde que são caras, mas, quando viram praxe, são feitas mais rapidamente. Temos vários exemplos disso na medicina."

BBC Brasil



Incapaz de investigar, Polícia manda pesquisadora fugir de criminosos no Brasil

A antropóloga Débora Diniz, professora do Departamento de Direito da Universidade de Brasília (UnB), e pesquisadora em temas feministas do Instituto Anis, residente em Brasília, deixou a capital federal após ouvir ameaças e agressões verbais de fanáticos religiosos.

O destino é desconhecido. Segundo informou a Agência Brasil, a viagem ocorreu após orientação da própria Polícia. Incapaz de investigar e punir os responsáveis, a Polícia, inacreditavelmente, pede para a vítima fugir.

Em junho, Débora Diniz prestou queixa na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam). Segundo a Polícia Civil, “a investigação é desenvolvida em sigilo”, mas foi incapaz até o momento de desvendar os criminosos.

Há relatos de que a pesquisadora recebeu pela internet e ouviu ameaças de morte, foi perseguida após uma palestra e tem sido procurada na universidade por pessoas estranhas ao ambiente acadêmico – nem alunos, professores ou pesquisadores.

A pesquisadora do Anis Instituto de bioética, Debora Diniz, defende que, neste momento de epidemia, as mulheres possam optar se querem interromper a gestação

Débora Diniz é vítima de assédio desde a década passada, quando publicou pesquisa sobre aborto por anomalia fetal. “Mas as ameaças cresceram rapidamente nos últimos meses”, descreve fonte que pede para não se identificar.

A pesquisadora é uma dos 45 representantes da sociedade civil que participarão de audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto para discutir a aplicação dos artigos do Código Penal que criminalizam o aborto provocado pela gestante ou realizado com sua autorização.

A ONU prestou solidariedade à pesquisadora em nota que expressa preocupação e “repudia as manifestações de ódio e ameaças”. A organização afirma que Débora Diniz é “ativista de longa data pela saúde pública e universal” e “é internacionalmente reconhecida por seu trabalho (…) em questões relacionadas à saúde e direitos sexuais e reprodutivos das mulheres”.

A Lei Maria da Penha tipifica violência psicológica e moral contra as mulheres e prevê penalidades. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, essas formas de violência foram as mais recorrentes no ano passado e no primeiro trimestre deste ano (64,5% nos dois períodos).

Em todo o país, o balanço do Ligue 180 da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres registra em 2016: 44.630 relatos de violência psicológica (31,8% dos casos registrados) e 8.439 relatos de violência moral (6,01%). 

Agência Brasil/ Carta Campinas